Livro Primeiras Águas - Poesias

Este é o livro I da série Primeiras Águas.

Campanha Gravatá Eficiente

Fomentando uma nova plataforma de discussão.

A Liberdade das novas idéias começa aqui.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Cientista da CERN: LHC produzirá buracos negros sem perigo para humanidade




O Grande Colisor de Hádrons (LHC) é um dos mais ambiciosos experimentos de todos os tempos e após ter interrompido o seu funcionamento por quase um ano, está finalmente a trabalhar a todo vapor.

O LHC produzirá buracos negros sem perigo para humanidade buracos confirmaram os cientistas que trabalham no projeto.

Então, o International Business Times decidiu em ter uma conversa com alguém diretamente envolvido nos experimentos do LHC, para tentar colher a essência do que é trabalhar dentro daquele universo de cientistas.



Paul Jackson é um físico de partículas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos e trabalhando na Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN). Ele especificamente trabalha no experimento Atlas, que procura identificar os boson Higgs – chamados também de “partículas de Deus.”


Será que o LHC irá fazer um buraco negro no espaço que eventualmente poderá vir a matar-nos?



Paul Jackson: “Sim, podemos vir a criar buracos negros, mas eles improvavelmente poderão vir a representar algum perigo. As pessoas estão ficando um bocado nervosas porque os cientistas disseram que, com energia suficiente, seriamos capazes de criar buracos negros microscópicos dentro dos detetores.”



“O que isso significa é que estaremos criando objetos com as mesmas propriedades espaciais que os que são formados quando estrelas colapsam, mas a diferença aqui é que estes serão buracos negros muito pequenos que serão criados nos experimentos e que imediatamente evaporarão.”



“Portanto, os buracos negros não existirão por um tempo suficiente para que o seu efeito gravitacional possa entrar perigosamente em ação. Eles não haveriam de começar a sugar coisas porque existirão em intervalos de tempo muito curto. Não há como fazer, com as colisões que estamos a experimentar, um buraco negro suficiente para causar efeito perigoso na humanidade.”

Fonte:
http://www.ibtimes.com.br/articles/20091130/cientista-da-cern-lhc-produzir-buracos-negros-sem-perigo-para-humanidade.htm



Dia Mundial Contra a Pena de Morte



" Está pois a pena de morte abolida nesse nobre Portugal, pequeno povo que tem uma grande história. (...) Felicito a vossa nação. Portugal dá o exemplo à Europa. Desfrutai de antemão essa imensa glória. A Europa imitará Portugal. Morte à morte! Guerra à guerra! Viva a vida! Ódio ao ódio. A liberdade é uma cidade imensa da qual todos somos concidadãos "


Victor Hugo, 1876, a propósito da abolição da pena de morte em Portugal (o primeiro país europeu a fazê-lo)





A pena de morte
, também chamada de pena capital, é uma sentença aplicada pelo poder judiciário que consiste na execução de um indivíduo condenado pelo Estado. Os criminosos condenados à pena de morte geralmente praticaram assassínio premeditado. Mas, a pena também é utilizada atualmente para reprimir espionagem, violação e corrupção.


A pena de morte é uma forma de punição muito controversa atualmente. Os que são a favor dela dizem que é eficaz na prevenção de futuros crimes e que é apropriada como punição para assassinatos, eliminando a ameaça que alguém que não respeite a vida oferece à sociedade. Os opositores dizem que não é aplicada de forma eficaz e que, como conseqüência, vários inocentes são executados anualmente. Também afirmam que é uma violação dos direitos humanos.




História

A execução de criminosos e oponentes políticos tem sido usada por quase todas as sociedades tanto para punir crimes e suprimir oposições políticas. Na maioria dos lugares que praticam a pena de morte ela é reservada para assassinato, espionagem, traição, ou como parte do direito militar.

Em algumas países, crimes sexuais como violação, adultério, incesto e sodomia levam a pena de morte, assim como crimes como a apostasia nas nações Islâmicas (a renúncia formal da religião do Estado). Em muitos países que aderiram à pena de morte, o tráfico de drogas é também uma ofensa capital.

Na China, o tráfico de pessoas e casos sério de corrupção são punidos pela pena de morte. Em exércitos de todo o mundo, as cortes marciais têm imposto sentenças de morte para ofensas como covardia, deserção, insubordinação e motim.

Atualmente, a pena encontra-se num enquadramento legal e sociológico bastante diferente. Nenhum Estado membro da UE aplica a pena de morte. Atualmente, a Convenção Européia dos Direitos Humanos recomenda a sua proibição.

A maioria dos estados federados dos Estados Unidos, principalmente no sul, retomaram essa prática após uma breve interrupção durante os anos 1970, sendo por isso uma das raras democracias, juntamente com o Japão, a continuar a aplicar a pena de morte. Em Janeiro de 2008, 36 dos 50 estados dos EUA prevêem a aplicação da pena capital.



Estatuto da Terra




Estatuto da Terra é a forma como legalmente se encontra disciplinado o uso, ocupação e relações fundiárias em cada país.


No Brasil

Um dos primeiros códigos inteiramente elaborados pelo Governo Militar no Brasil, a Lei 4504, de 30 de novembro de 1964, foi concebida como a forma de colocar um freio nos movimentos campesinos que se multiplicavam durante o Governo João Goulart.

Apesar de importantes peças para o ordenamento jurídico brasileiro, seu conteúdo é muito pouco difundido, e conta com poucos especialistas no meio doutrinário. Conquanto seus conceitos abarcam definições de cunho inteiramente político, servem para nortear as ações de órgãos governamentais de fomento agrícola e de reforma agrária, como o INCRA.

São diversos os conceitos ali enunciados, com importantes repercussões para a vida no campo, bem como a relação do proprietário de terras com o seu imóvel. Dentre elas:

Reforma agrária - é o conjunto de medidas que visem a promover melhor distribuição da terra, mediante modificações no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios de justiça social e ao aumento de produtividade.

Módulo rural - consiste, em linhas gerais, na menor unidade de terra onde uma família possa se sustentar ou, como define a lei: lhes absorva toda a força de trabalho, garantindo-lhes a subsistência e o progresso social e econômico - e cujas dimensões, variáveis consoante diversos fatores (localização, tipo do solo, topografia, etc.), são determinadas por órgãos oficiais. Por estes critérios, uma área de várzea de meio hectare pode configurar, em tese, um módulo rural - ao passo que 10 hectares de caatinga podem não atingi-lo.

Minifúndio - Uma propriedade de terra cujas dimensões não perfazem o mínimo para configurar um módulo rural (nos exemplos anteriores, uma várzea de 0,2ha);

Latifúndio - propriedades que excedam a 600 módulos rurais ou, independente deste valor, que sejam destinadas a fins não produtivos (como a especulação).


Em Moçambique

Em Moçambique, segundo a Constituição, a terra é propriedade do Estado e não pode ser alienada. A Lei de Terras é o diploma que define quais os tipos de autorização de uso e aproveitamento da terra que podem existir, de forma a promover o desenvolvimento econômico e, por outro lado, proteger os interesses das comunidades locais que vinham há gerações utilizando parcelas de terra sem uma base legal.




fonte: Wikipédia



domingo, 29 de novembro de 2009

Conheça quatro teorias sobre a origem da água na Lua




Meta da Nasa agora é investigar há quanto tempo a água está na Lua e qual sua composição exata

Para muitos, 2009 será lembrado como o ano em que a presença de água na Lua foi confirmada além de qualquer suspeita. "Você está vendo o ápice de um monte de missões criadas especificamente para responder a essa pergunta", disse Paul Spudis, do Instituto Lunar e Planetário (LPI, no acrônimo em inglês), fundado pela Nasa e sediado em Houston, Texas.

No início deste ano, o Orbitador de Reconhecimento Lunar, da Nasa, e a espaçonave Chandrayaan-1, da Índia, detectaram possíveis vestígios químicos de água lunar. E, na semana passada, a Nasa anunciou que os choques com a lua do LCROSS haviam levantado quantidades "significativas" de água da cratera.

Mas de onde veio a água da lua?


"Será que ela foi depositada por um único grande evento recente? Ou será que está lá há bilhões de anos?", questionou Peter Schultz, cientista do LCROSS da Universidade Brown, em Rhode Island. "Não sabemos." Por enquanto existem três grandes teorias científicas de como a Lua conseguiu sua água - e uma "loucamente especulativa" quarta ideia que não pode ser descartada por enquanto.

Primeira teoria: Vulcões Antigos Lançaram a Água da Lua à Superfície

A água da Lua estava lá desde o início, defende uma teoria - a água foi um ingrediente para a formação da Lua, assim como foi para a Terra. De acordo com essa ideia, a água está concentrada no interior do satélite. No passado distante, quando a Lua hoje "morta" tinha um núcleo quente, erupções vulcânicas ou "descargas" gasosas lentamente empurraram a água para a superfície, onde ficou congelada desde então, disse Spudis, do LPI, explicando a teoria.

Segunda teoria: A Água Foi "Produzida" na Superfície

A água lunar pode ter se formado lá mesmo, com certa ajuda do Sol, segundo hipótese de alguns cientistas. O Sol emite constantemente um fluxo de partículas chamado vento solar. De acordo com essa teoria, íons de hidrogênio positivamente carregados, ou prótons, no vento solar podem ter atingido a Lua e reagido com minerais ricos em oxigênio no solo lunar para formar H2O, também conhecida como água.

A formação de água pelo vento solar seria um processo vagaroso, disse Schutlz, da Universidade Brown. Mas "mesmo se você acumular uma molécula (de água) por dia dessa forma, ao longo de bilhões de anos dá pra fazer muita coisa".

Terceira teoria: Cometas e Asteróides Levaram Água à Lua

Alguns afirmam que a água da lua pode ter sido o presente de cometas com água e asteróides úmidos que atingiram o satélite num passado distante. Boa parte da água desses impactos teria sido ejetada para o espaço, mas algumas moléculas ociosas podem ter sido capturadas pela gravidade lunar.

"A idéia é que cometas ou asteroides com água atingem a Lua e criam uma nuvem de vapor d'água que paira próxima à superfície lunar", disse Spudis, do LPI. "Parte da água acaba migrando para as áreas polares, onde encontra uma armadilha gelada", uma área permanentemente fria, como uma cratera polar onde a luz do Sol nunca alcança.

Como resultado, a água teoricamente permaneceria congelada por eras.

Quarta teoria: A Água da Lua Veio da Terra

Existem duas maneiras pelas quais a água da Terra poderia ter chegado até a Lua, e as duas seriam possíveis apenas quando a Terra e a Lua estavam muito mais próximas, há bilhões de anos, segundo Schultz, de Brown.

Para começar, durante períodos pré-históricos, quando o campo magnético terrestre era fraco ou inexistente, o vento solar poderia ter tirado vapor d¿água da atmosfera de nosso planeta e o depositado na Lua.

Ou talvez impactos catastróficos de asteroide ou cometa na Terra tenham ejetado água do mar para o espaço, e a lua em órbita teria passado pela nuvem de vapor, saindo de certa forma encharcada.

Esses dois cenários são teoricamente possíveis, embora Schultz admita, "estamos no campo da especulação". Porém, era exatamente onde estava a água da Lua até poucos dias atrás.

Tradução: Amy Traduções
http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI4126278-EI301,00Conheca+quatro+teorias+sobre+a+origem+da+agua+na+Lua.html

sábado, 28 de novembro de 2009

Bosque dos Universitários? Melhor Micro-clima?



Estátua do Bosque dos Namorados - Natal-RN


Não tenho nenhum preconceito em ler este ou aquele site. O site da prefeitura de Gravatá, apesar de ter um papel importante, seus editores cometem ou reproduzem sempre algum tipo de erro. Lógico que todos nós cometemos. Nos melhoramos a medida em que admitimos o erro e buscamos não trilhar pelo caminho reconhecidamente errado, do ponto de vista holístico. E hoje, ao abrir a página da prefeitura, tomei um baita susto. Mais um, pra variar.

Hoje, andando pelas ruas da cidade, como sempre faço nos dias de sábado, ouvi os estouros dos fogos de artifício que sinalizavam a inauguração do Bosque dos Universitários. Estava na calçada da Câmara de Vereadores quando um sujeito muito conhecido na cidade comentou entre amigos, ironicamente:
- Os universitários plantando árvores?! Só vai dá pé de maconha nessa inauguração. (...)

Segui meu caminho.

Conversei com quatro universitários, na minha parada obrigatória, a qual está sendo batizada de “Sociedade dos Poetas Vivos”. (esse dado é outro capítulo a parte). Todos eles estavam completamente indignados. Um deles não compareceu ao plantio. Os outros três bradaram frases de repúdio e prometeram que não iriam cuidar da árvore plantada por motivos óbvios. Um deles me olhou e questionou:

- Ricardo, o que é um bosque? Essa idéia vai dar certo nas margens de um rio? O que você pensa sobre isso?

E a minha resposta foi:

- Acho a iniciativa, a idéia muito louvável, do ponto de vista ambiental. Do ponto de vista político e social, a idéia é retrógrada porque se baseia na barganha, haja vista que o transporte escolar é direito de todos os estudantes e obrigação dos governos. Do ponto de vista da Botânica, um bosque é uma denominação para certas formações florestais. Diferencia-se da floresta pelo fato de as copas das árvores não formarem uma cobertura contínua, isto é, as árvores encontram-se mais afastadas. Com relação à Geografia (minha área) eu entendo que um bosque deve envolver uma superfície terrestre o suficientemente grande para ter representado todos os usos e valores da floresta — é uma paisagem completamente operativa de florestas e zonas com atividades agropecuárias, áreas protegidas, rios e área urbana. Devido à impossibilidade de separar a floresta das pessoas, estas ocupam um lugar central no conceito de bosque. É o fator chave na procura por definir a sustentabilidade na região onde vivem onde estão os bosques. Neste sentido, um bosque é uma aliança voluntária onde os membros representam plenamente as forças ambientais, sociais e econômicas da região.

Os universitários – amigos – me contaram que não houve uma adesão significativa por parte dos estudantes. O projeto da prefeitura sugeria que fossem plantadas 691 mudas de árvores nativas e não se alcançou nem metade desse número, segundo eles. Cheguei a perguntar se as árvores eram realmente nativas, mas eles não souberam responder. O que é um dado importante para se investigar, além de se tratar de um lugar inapropriado para criar-se um bosque. Querem saber por quê? Eu peço que aguardem as chuvas de inverno.

Voltei pra casa e corri para o computador para ler algo sobre o assunto no site da prefeitura. E lá estava a chamada: “GRAVATÁ GANHA NOVO ESPAÇO ECOLÓGICO ÀS MARGENS DO IPOJUCA NO SÁBADO (28).”

Transcorri a leitura e comecei a montar este texto, em minha cabeça. Os dedos coçaram e a cabeça fervilhou quando li: “A proposta é tornar a cidade mais verde, e assim preservar o clima local, já avaliado pela Organização Mundial de Saúde - OMS, como o melhor microclima do mundo.”

Já faz algum tempo que tenho colocado no meu blog e em outros meios comunicação, que existem mitos (pra não dizer inverdades) que devem ser desmistificados e desmentidos com urgência. Um deles trata justamente da questão do Clima. Não irei reescrever as minhas idéias e os conceitos geográficos mais corretos com relação a este dado freqüentemente vinculado pelo site da prefeitura. Estou aberto para debates e sugiro um estudo mais apurado do caso, envolvendo profissionais da área, da educação que possam colocar definitivamente o ponto nos is.

Duas questões primordiais são levantadas aqui.
Uma é saber o que vai acontecer com os universitários que se recusaram a participar do plantio de sua árvore, no questionável bosque dedicado a eles. A outra é esperar, com angústia, até quando vamos vender conceitos errôneos em detrimento dos interesses turísticos e econômicos de alguns políticos e empresários do nosso município.

CORAGEM OU TRAMPOLINAGEM?


O Presidente que Defende Mudanças Urgentes no Sistema Educacional Brasileiro

Durante a inauguração do parque Cidade dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Bernardo do Campo Eurídice Ferreira de Mello (mãe do presidente), Lula disse que seria preciso muita “Coragem” para que a Educação consiga cumprir com o seu papel transformador da sociedade e de formadora de cidadãos.

Dentre algumas frases ditas pelo presidente, quero ressaltar duas:

1- "Não é falta de lei, é falta de cultura. Não é trabalhar para ter um projeto de lei, é trabalhar nas escolas corretamente a formação das pessoas."

Ele tem razão. A questão é que o seu governo vem negando essa possibilidade. O MEC tem destruído conceitos que sempre serviram modelo de conquista mediante a implantação de um sistema de governo democrático a partir dos anos 80, garantida na Constituição de 1988. Os municípios também são grandes vilões para que essa realidade não mude. Tratar de Educação, de Cultura, de Lei, de Formação de Pessoas, na maioria dos nossos municípios está cada vez mais intragável. Não quero tratar nem da infra-estrutura das escolas, até porque é uma realidade mais comum entre os municípios. Agora, não me peçam pra esquecer os descasos contra a Educação Municipal que se alimenta de fofocas, de venenos traiçoeiros, de politicagem barata e, do pior, que é vetar iniciativas e pessoas que urgem por seriedade em seu trabalho.

2- "Se a gente tiver medo de ensinar o combate ao racismo na escola vai ficar mais difícil ensinar depois. Se a gente tiver medo de ensinar a educação sexual para os nossos filhos nas escolas, vai ficar muito mais difícil depois porque eles vão fazer aquilo que é próprio da natureza humana, muitas vezes por falta de uma explicação."

Recentemente a ONU declarou que o Brasil é: Desigual, Violento e Preconceituoso. Parece haver naturalidade no relatório. Parece ser até piegas reproduzir tais dados e chega a ser “politiqueiro” confirmar que tudo isso é verdade. Muitos são os professores que ainda agem com preconceito, que gera a desigualdade e a violência. Quando a ONU fala de violência em seu relatório, esse termo é muito mais abrangente do que se pensa. Deixar de tratar o racismo com maturidade é um tipo de violência. Deixar de tratar a sexualidade como se tratássemos de educação ambiental é um tipo de violência. E o autor destas violências maiores somos nós, professores. Conheço uma dúzia de profissionais da Educação Municipal que não respeita opção sexual, que não respeita a deficiência de um colega, que não se desgruda da hipocrisia para tratar de diferenças. Vivem a reproduzir a covardia, que é força contrária que desafia a lógica da melhoria educacional que Lula defendeu eu seu discurso.
Infelizmente, alguns dos meus colegas de profissão vivem de TRAMPOLINAGEM SEM VERGONHA...

E a CORAGEM sugerida pelo Presidente fica a mercê da Esperança nos corações de quem ainda crê em transformações no nosso meio...
ps1: A Imagen utilizada acima, traz uma verdade?
ps2: Ao concluir esse texto, me recordei de uma canção dos Engenheiros do Havaii que diz: "Somos um Exército, o exército de um homem só. Um banda de vampiros que odeiam sangue. Sem bandeira, sem fornteiras pra defender..."

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

EU SOU FUMANTE...




Embora pesquisa divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revele que as pessoas estão mais expostas ao fumo passivo no ambiente doméstico, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, voltou a defender leis mais restritivas ao cigarro em lugares públicos, como bares, restaurantes e shoppings.

Temporão lembrou que para impedir o fumo em locais fechados, de uso coletivo e privados, uma lei federal será discutida na próxima semana no Senado Federal. A ideia é somar aos esforços de governos estaduais que se anteciparam e já restringiram o fumo, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Saiba se você é um fumante passivo:



- Ninguém deve ser exposto a fumaça em espaço coletivo porque isso prejudica fortemente à saúde. Sete pessoas morrem por dia devido ao fumo passivo -, afirmou após a divulgação da Pesquisa Especial do Tabagismo, no Rio.

De acordo com o documento, o ambiente doméstico foi apontado por 27,9% dos entrevistados como o local de maior exposição à fumaça de cigarros. Em segundo lugar ficou o ambiente de trabalho, com 24,4% e em terceiro, os bares e restaurantes, com 9,9%.

Ao comentar os efeitos das campanhas antifumo, como as advertências nos rótulos dos cigarros que fizeram com que cerca de 65% dos entrevistados na pesquisa pensassem em parar de fumar, o ministro também voltou a defender normas mais rigorosas contra a publicidade de cigarros, que já é proibida na televisão e no rádio.
Segundo a Pesquisa Especial do Tabagismo, dos cerca de 24,6 milhões de fumantes no país, a maioria começou a fumar entre 17 e 19 anos. Atualmente, estão na faixa de 25 a 44 anos.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL



Nota do Editor:

Aqui em Gravatá existem lugares, no centro da cidade, em que é impossível você (não fumante) sentar-se sem ser incomodado com a danada da fumaça que, como mostra a charge, lhe sufoca ao bel prazer do sujeito que se acha dono do pedaço. Eles, os fumantes, agem como agem a maioria dos cidadãos (daqui e de fora) que jogam papel no chão, colocam o som do carro nas alturas do insuportável, estacionam na sua calçada (em épocas de festas) como se fossem donos da sua morada, derrubam árvores para construir de forma indiscriminada... E tantos outros absurdos que a gente tem que engolir calado na maioria das vezes, para não causar uma discórdia.
nesses espaços que me privam do ar puro, sem agressões, eu simplesmente não compareço mais. E ainda assim, quero dizer que isso não vai acabar por aqui... Ainda deverei completar o título dessa matéria com o adjetivo: PASSIVO.
Glórias ao Ministro Temporão!

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Um Pouco de Poesia - Variações Sobre o Mesmo Tema



Para Viver um Grande Amor




É preciso abrir todas as portas que fecham o coração.
Quebrar barreiras construídas ao longo do tempo,
Por amores do passado que foram em vão
É preciso muita renúncia em ser e mudança no pensar.


É preciso não esquecer que ninguém vem perfeito para nós!
É preciso ver o outro com os olhos da alma e se deixar cativar!
É preciso renunciar ao que não agrada ao seu amor...




Para que se moldem um ao outro como se molda uma escultura,
Aparando as arestas que podem machucar.
É como lapidar um diamante bruto... para fazê-lo brilhar!
E quando decidir que chegou a sua hora de amar,
Lembre-se que é preciso haver identificação de almas!
De gostos, de gestos, de pele...
No modo de sentir e de pensar!


É preciso ver a luz iluminar a aura,
Dando uma chance para que o amor te encontre
Na suavidade morna de uma noite calma...
É preciso se entregar de corpo e alma!


É preciso ter dentro do coração um sonho
Que se acalenta no desejo de: amar e ser amada!
É preciso conhecer no outro o ser tão procurado!
É preciso conquistar e se deixar seduzir...


Entrar no jogo da sedução e deixar fluir!
Amar com emoção para se saber sentir
A sensação do momento em que o amor te devora!
E quando você estiver vivendo no clímax dessa paixão,
Que sinta que essa foi a melhor de suas escolhas!
Que foi seu grande desafio... e o passo mais acertado
De todos os caminhos de sua vida trilhados!


Mas se assim não for...
Que nunca te arrependas pelo amor dado!
Faz parte da vida arriscar-se por um sonho...


Porque se não fosse assim, nunca teríamos sonhado!
Mas, antes de tudo, que você saiba que tem aliado.
Ele se chama TEMPO... seu melhor amigo.


Só ele pode dar todas as certezas do amanhã...
A certeza que... realmente você amou.
A certeza que... realmente você foi amada."



Carlos Drummond de Andrade



PARA VIVER UM GRANDE AMOR
Para viver um grande amor, preciso é muita concentração e muito siso, muita seriedade e pouco riso — para viver um grande amor.Para viver um grande amor, mister é ser um homem de uma só mulher; pois ser de muitas, poxa! é de colher... — não tem nenhum valor.
Para viver um grande amor, primeiro é preciso sagrar-se cavalheiro e ser de sua dama por inteiro — seja lá como for. Há que fazer do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postar-se de fora com uma espada — para viver um grande amor.Para viver um grande amor, vos digo, é preciso atenção como o "velho amigo", que porque é só vos quer sempre consigo para iludir o grande amor.
É preciso muitíssimo cuidado com quem quer que não esteja apaixonado, pois quem não está, está sempre preparado pra chatear o grande amor.Para viver um amor, na realidade, há que compenetrar-se da verdade de que não existe amor sem fidelidade — para viver um grande amor. Pois quem trai seu amor por vanidade é um desconhecedor da liberdade, dessa imensa, indizível liberdade que traz um só amor.
Para viver um grande amor, il faut além de fiel, ser bem conhecedor de arte culinária e de judô — para viver um grande amor.Para viver um grande amor perfeito, não basta ser apenas bom sujeito; é preciso também ter muito peito — peito de remador. É preciso olhar sempre a bem-amada como a sua primeira namorada e sua viúva também, amortalhada no seu finado amor.
É muito necessário ter em vista um crédito de rosas no florista — muito mais, muito mais que na modista! — para aprazer ao grande amor. Pois do que o grande amor quer saber mesmo, é de amor, é de amor, de amor a esmo; depois, um tutuzinho com torresmo conta ponto a favor...Conta ponto saber fazer coisinhas: ovos mexidos, camarões, sopinhas, molhos, strogonoffs — comidinhas para depois do amor.
E o que há de melhor que ir pra cozinha e preparar com amor uma galinha com uma rica e gostosa farofinha, para o seu grande amor? Para viver um grande amor é muito, muito importante viver sempre junto e até ser, se possível, um só defunto — pra não morrer de dor. É preciso um cuidado permanente não só com o corpo mas também com a mente, pois qualquer "baixo" seu, a amada sente — e esfria um pouco o amor.
Há que ser bem cortês sem cortesia; doce e conciliador sem covardia; saber ganhar dinheiro com poesia — para viver um grande amor.É preciso saber tomar uísque (com o mau bebedor nunca se arrisque!) e ser impermeável ao diz-que-diz-que — que não quer nada com o amor.
Mas tudo isso não adianta nada, se nesta selva oscura e desvairada não se souber achar a bem-amada — para viver um grande amor.
Vinícius de Moraes

terça-feira, 24 de novembro de 2009

DE DARWIN - ORIGEM DO COMEÇO - AO LHC - PRINCÍPIO DO FIM





Hoje, neste 24 de novembro de 2009, comemora-se os 150 anos da publicação do trabalho seminal de Charles Darwin, Sobre a Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural ou A Preservação de Raças Favorecidas na Luta pela. O livro de Darwin toca em pontos ainda nevrálgicos da cultura humana, porque, ao discutir ciência, forneceu novas formas de enxergar o mundo e nossa existência que fugiam dos dogmas e paradigmas de qualquer doutrina religiosa.




Claro, resultou em briga, briga essa que já fora iniciada com Galilei e Newton – este último unificou, pela primeira vez e de forma indelével, explicações sobre fenômenos que ocorriam nos céus e no nosso mundano mundo – e de que Darwin não se esquivou ou comprou; seu livro foi muito influente pra época porque escrito para o público leigo, diferente da obra de Newton, por exemplo, que requeria certo refinamento matemático pra que fosse devidamente apreciada. Darwin fez com os seres vivos, como classe, o que Galilei e Newton fizeram com a Terra: tirou-nos de vez de nossa posição especial no Cosmos.




Há uma quantidade enorme de informações sobre Darwin espalhada pela internet e mesmo aqui no Amálgama e, a julgar pela qualidade dos comentários que surgem pra cada postagem, o assunto precisa ser continuamente exposto e debatido. Interessante que mesmo não tendo lido nada de Darwin, todos pretendem discutir sua obra e contradizer suas conclusões. Em geral, tropeçam nas ferramentas usadas por Darwin e tantos outros cientistas.




“Não é à toa que chamam isso teoria,” insistem. Verdade, teoria, mas quantos por aí sabem o que é uma teoria científica? Que fique claro, é importante: a obra de Darwin nasce de observações feitas pelo inglês durante expedição pelo mundo, por experimentos e, como não podia deixar de ser no meio científico, pela troca de informações com outros estudiosos (falei rapidamente sobre essa troca em texto sobre o uso de outras mídias sociais).




Como uma teoria científica, as idéias de Darwin podem ser colocadas abaixo, em favor de outra teoria que se adéqüe melhor aos fatos: o progresso científico, diferente dos preceitos religiosos, envolve testes e discussões e, mais importante, quem pode dar a resposta final a uma questão é apenas a natureza ou, em outras palavras, os fatos.




Por mais estranha que possa ser a natureza, é a teoria que deve se encaixar nela, e não o contrário; em outras palavras – só pra dar alguns exemplos –, se a Terra foi criada há 5 mil anos, não deveria ser possível encontrar fósseis de datas anteriores, e se não há evolução e adaptação através das gerações, então deveria haver fósseis de coelhos e homens com a mesma idade que os de dinossauros.




As teorias científicas caem por terra e são substituídas por outras melhores; elas devem explicar a natureza, os fatos, diferente dos dogmas religiosos, que pretendem fazer com que os fatos se adequem à natureza (e pensar que Galilei, que disse que a Terra não era o centro do Universo, foi perdoado pelo papa há bem poucos anos).




Este ano, este aniversário, não deveria acontecer. Nosso planeta deveria ter sido varrido da existência muitas e muitas vezes; astrólogos e religiosos vêm fazendo profecias que falham, década após século após milênio, seguidamente. Tais declarações não têm fundamentação científica, como aquela dos Maias que prevêem o fim do mundo pra daqui a 2 anos, logo não podem ser consideradas como teorias científicas.




Uma das mais atuais declarações de que o mundo viria a acabar ganhou muita atenção ano passado, quando o novo colisor de partículas do CERN estava para ser ligado. Este colisor acelera prótons a altas velocidades e os colide uns contra outros, permitindo que físicos do mundo inteiro investiguem a estrutura da matéria. Diante do início dos experimentos, bradaram: “Este colisor provocará o fim do mundo!”




Bobagem. Colisões como aquelas que acontecerão, sob controle, dentro do detector ATLAS, do LHC, acontecem rotineiramente no universo e até mesmo em regiões próximas à Terra, sem maiores prejuízos pra espécie humana. A diferença está no controle, não na distância: se podemos realizar o experimento em ambiente controlado, temos a possibilidade de coletar informações de maneira também controlada.




Grosseiramente, é como a diferença entre pegar um bife na geladeira ou sair pra caçar quando se quer comer. Coletar informações é chave para a aplicação do método científico: elas nos possibilitam criar novas teorias científicas a respeito de nossa existência ou, quem sabe, reforçar as teorias existentes (difícil, já que o modelo padrão que descreve o comportamento das partículas elementares já se mostrou insuficiente pra explicar os fatos conhecidos).




Entrei por uma perna de pinto e saí por uma perna de pato: do aniversário de uma das principais obras científicas já publicadas, passando pela necessidade de um método e ferramentas que validem idéias, podemos concluir que há, sim, algum método nas teorias que prevêem o fim do mundo: passada a data, deixamos pra lá e a teoria apocalíptica torna-se bobagem. O LHC falhou em nos destruir ano passado, em seu período de testes. Acaba de ser religado, após mais de um ano passando por reparos e adequações, e já deixamos de lado a possibilidade de que os experimentos no colisor venham a trazer nosso fim.




sexta-feira, 20 de novembro de 2009

MEU MUITO OBRIGADO A ESQUADRILHA DA FUMAÇA



Foto: Ricardo Vieira


Eles prometeram e cumpriram.








Há alguns meses que o site da Esquadrilha da Fumaça vem anunciando o programa de apresentações no Nordeste. Quando vi o nome de Gravatá na lista oficial, eu confesso que não acreditei. de fato, hoje, sobre os milhares de olhos atentos ao céu, O Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA), a “Esquadrilha da Fumaça”, promoveu demonstrações de alto nível internacional, realizando suas tradicionais manobras e acrobacias.




ficamos simplesmente encantos com namobras como: Looping em leque, DNA com duas voltas e o famoso Coração (foto), que foi namobra de despedida da Esquadrilha no Céu de Gravatá.
Simplesmente incrível e emocionante.


Foi um presente de aniversário muito legal.
Meu muito Obrigado a Equipe da Esquadrilha da Fumaça.

Uma breve resumo de uma grande equipe



14 de Maio de 1952.
Durante o táxi, ouvia-se o inconfundível roncar dos motores do T-6. Após um intenso treinamento, nos intervalos de almoço e nas folgas da instrução de vôo de um seleto grupo de instrutores, o Comandante da Escola de Aeronáutica, decidiu apresentá-los publicamente, quando da realização de uma cerimônia cívico-militar que seria assistida por uma numerosa delegação de Oficiais estrangeiros. Acontecia então, naquela data, o primeiro vôo, era o nascimento da Esquadrilha da Fumaça.

Os Tenentes Domenech, Fraga, Collomer e Martins, com o objetivo de incentivar os Cadetes e de mostrar-lhes que poderiam confiar em seus instrutores e aviões, decolavam e executavam um sem número de manobras de precisão.
No início, faziam Loopings e Tounneaux com duas aeronaves (era o vôo de elemento), mais tarde, após os comentários em terra, onde discutiam todos os detalhes, passaram a voar com três aeronaves e finalmente com quatro.
É o que podemos constatar com as próprias palavras do Fumaceiro Domenech:
"Entre alunos e obrigações administrativas, os jovens pilotos conseguiam arrumar tempo para decolar com quatro aviões e praticar as primeiras manobras em conjunto. Decolávamos na hora do almoço ou entre as aulas, e voávamos em direção a Jacarepaguá ou Nova Iguaçú, onde realizávamos nossos treinos em segredo.
No princípio, praticávamos com dois aviões, e pouco a pouco fomos nos juntando, até que começamos a fazer Loopings e Tounneaux com quatro aviões em diamante. Naquela época, quem comandava a divisão de instrução era o Tenente-Coronel Délio Jardim de Mattos, um fanático por acrobacias aéreas, que não só autorizou as manobras como disse que queria vê-las. Então dissemos:
Está bem!
E nos mandamos para Jacarepaguá. O Tenente-Coronel Délio pegou um avião e seguiu atrás. Entusiasmado, acabou contando ao Comandante da Escola o que estávamos fazendo e a reação foi a mesma:
- Quero ver!
E assim realizamos a primeira demonstração sobre os Afonsos."



Quer saber mais?

HOJE É MEU ANIVERSÁRIO


Com o passar dos anos
Amadurecem as ilusões da Vida
Conquistam-se objetivos
Ganha-se experiência
Criam-se amizades
Vivem-se paixões
Realizam-se sonhos

Hoje é o meu Aniversário
Hoje mais uma janela se abre
Diante dos meus olhos
Hoje proponho procurar-me a mim mesmo
Viajar por dentro de mim
Percorrer os trilhos da Vida
Com otimismo
Com esperança
Com alegria
Com um sorriso
Procurando ser melhor
A cada dia
A cada ano
Procurando a felicidade

Hoje é o meu Aniversário
Hoje ouso gritar
Que existo
Que sou lindo
Que mereço ser feliz

Hoje é o meu Aniversário
Hoje mando um sorriso especial
A todos os meus Amigos
Um sorriso para os meus velhos Amigos
Um sorriso para os meus novos Amigos
Um sorriso para todos
Os que fazem parte da minha Vida
Um sorriso pelas brincadeiras
Um sorriso pelo apoio
Um sorriso pela companhia
Um sorriso pela paciência
Um sorriso pela amizade
Um sorriso sincero
Cheio de luz
Cheio de cor

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

ESQUADRILHA DA FUMAÇA PRESENTEIA GRAVATÁ




A Esquadrilha da Fumaça iniciou Circuito Nordeste 2009 e, dessa vez, incluiu em sua agenda a cidade de Gravatá para uma das apresentações cívicas no nosso estado. A agenda de todas as aprensentações ocorridas até agora e as futuras podem ser acompanhadas no site da esquadrilha ou no blog (links abaixo).

Agenda cheia! Assim estará o mês de novembro para o Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA), quando inicia um Circuito de demonstrações pela região Nordeste do país. Serão 19 demonstrações realizadas em 24 dias, no período de 06 a 29 de novembro.



Para cumprir a missão deslocam-se oito aeronaves T-27 da Esquadrilha da Fumaça, apoiadas por um C-105 Amazonas do 1º Esquadrão do 9º Grupo de Aviação (1º/9º GAv), Esquadrão Arara, com 6 tripulantes.

Além disso, 30 militares do EDA compõem o efetivo da missão, revezando-se numa escala de trabalho que prevê além dos voos e a manutenção de rotina dos aviões, também visitas a instituições, realização de palestras e atividades sociais de integração com as organizações dos eventos promovidos.



Confira abaixo as cidades atendidas neste ano:


06 nov – Guararapes/SP

07 nov - Taiobeiras/MG

08 nov - Salvador/BA

09 nov - Floriano/PI

10 nov - Oeiras/PI

11 nov - São João dos Patos/MA

12 nov - União/PI

13 nov - Caucaia/CE

14 nov - Fortaleza/CE

15 nov - Natal/RN

18 nov - Patos/PB

19 nov - Soledade/PB

20 nov - Gravatá/PE

21 nov - Caruaru/PE

22 nov - Recife/PE

25 nov - Itabuna/BA

27 nov - Juiz de Fora/MG

28 nov - Cachoeiro de Itapemirim/ES

29 nov - Guarapari/ES


Fontes:

Site:
www.esquadrilhadafumaca.com.br

Blog:
http://esquadrilhadafumaca.com.br/circuitonordeste2009/

Rio antecipa comemorações do Dia da Consciência Negra





As comemorações do Dia da Consciência Negra (20 de novembro) começam hoje (16), no Rio de Janeiro, com uma série de eventos musicais, palestras, exibição de filmes e apresentações de dança. As atividades se estendem até o fim do mês, em pontos da zona norte e do centro, e marcam a data da morte de Zumbi dos Palmares, um dos líderes do Quilombo dos Palmares, o mais conhecido núcleo de resistência negra à escravidão no país.

O Centro Coreográfico da Cidade, na Tijuca, abre a semana com exibições de filmes, aulas de dança afro e debates com professores da casa. Além da participação do dançarino Delegado, conhecido passista da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, o ponto alto da agenda é o 1º Fórum de Dança e Cultura Afro-brasileira, de quinta (19) à sábado (21), que trará personalidades e especialistas da temática.


Para quem se interessa por fotografia, o Centro de Referência da Música Carioca Arthur da Távola, também na Tijuca, abre amanhã (17) a mostra Nossa Gente, do fotógrafo negro Januário Garcia. Paralelamente, o espaço estreia a série Depoimentos Cariocas, que entrevista o cantor e compositor Arlindo Cruz. Para este evento, os ingressos custam R$ 10 a inteira e R$ 5 a meia.


Para os amantes de cinema, a sugestão é conferir a "trilogia negra", de Cacá Diegues no Centro Cultural Parque das Ruínas, em Santa Teresa, no centro, a partir da sexta-feira (20). Os filmes Gamba Zumba, Quilombo e Xica da Silva serão exibidos em três sessões diárias, até o domingo (29). A mostra marca a inauguração da sala de cinema do centro com 80 lugares e tem entrada franca.


Um dos organizadores das atividades, Carlos Alberto Medeiros, à frente da Coordenadoria da Igualdade Racial do município diz que o objetivo das atividades é lembrar a contribuição de africanos e de afrodescendentes na sociedade brasileira. "É preciso colocar isso em relevo", afirmou. Para o próximo ano, ele promete ampliar os eventos para mais bairros da capital.


Outras mostras, debates e apresentações na capital e em comunidades quilombolas do estado são realizadas com apoio do governo estadual desde o início do mês. No Dia da Consciência Negra, a programação começa às 6h30 com a lavagem do Busto de Zumbi, na Praça 11, no centro do Rio, por integrantes do afoxé Filhos de Gandhi, e se estende até as 19h, com shows de Arlindo Cruz, da bateria da Mangueira e da Acadêmicos do Cubango.



Fonte:

NEM OBAMA, NEM EU USAMOS TWITTER. QUAL O PROBLEMA?



O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse durante a sua passagem pela China, nesta segunda-feira, que nunca usou o Twitter, o serviço de microblog de 140 caracteres fenômeno na web.

Qual o problema?

Take it Easy, Obama!

A gente tem muito mais a que se dedicar. Talvez, em 2010, a gente possa fazer parte desse senso comum digital.


domingo, 15 de novembro de 2009

Sumiço



O que é bom a gente mostra...

Em 1994, o então ministro da Fazenda, Rubens Ricupero, entrou para a história da política brasileira graças a uma frase: “o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde”. O raciocínio do ex-ministro é comparável à estratégia de preparação da campanha presidencial da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Nome mais graduado da gestão do setor energético no governo Lula, ela ficou de fora das explicações iniciais sobre o apagão, mas é presença constante na apresentação de propostas e resultados positivos para o governo.

Esse tipo de comportamento divide opiniões. “Não é só a Dilma que faz isso, Serra também tem fugido constantemente dos temas incômodos em São Paulo”, avalia o cientista político Francisco Fonseca. A estrategista de campanhas Cila Schulmann concorda que o artifício é comum, mas faz um alerta: o argumento não pode ser usado indiscriminadamente. “O eleitor não percebe essa ‘blindagem’ da primeira, segunda vez. Mas quando chega à 15ª oportunidade, é óbvio que ele nota que tem alguma coisa estranha.”

fonte:http://portal.rpc.com.br

sábado, 14 de novembro de 2009

Semana de Formação - Programa Travessia 2009




Estou de Volta.
Depois de uma semana inteira de formação do Programa Travessia, estou de volta para continuar a minha enfezada contribuição no mundo dos blogueiros.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

I SIMPÓSIO DE DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE


SAIBA MAIS CLICANDO NA IMAGEM

Brasileira ganha prêmio internacional de direitos humanos




A advogada, socióloga e diretora da organização não governamental Justiça Global, Sandra Carvalho(foto acima), é a primeira brasileira a receber o Prêmio Anual de Direitos Humanos da Human Rights First (HRF). A homenagem ocorreu no dia 22 de outubro, em Nova York. O prêmio da HRF é concedido desde 1986 a pessoas que se destacam na “luta pela igualdade e pela liberdade de pensamento, de expressão e pela liberdade religiosa em suas sociedades”.

Entre as personalidades que já receberam a homenagem estão o ex-senador norte-americano Edward Kennedy, as ativistas paquistanesas Asma Jahangir e Hina Jilani, que ocupam altos cargos na ONU, e a ex-presidente da Irlanda Mary Robinson, que foi também alta-comissária de direitos humanos das Nações Unidas. Neste ano, também recebeu a homenagem o ativista Principe Gabriel Gonzalez, que atua na defesa dos direitos de presos políticos na Colômbia. A cerimônia de premiação foi no Chelsea Piers, um centro de convenções na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Ao receber a homenagem, Sandra chamou a atenção para as violações de direitos humanos que continuam a ocorrer no Brasil. “Esse prêmio veio em um momento muito importante porque ele também é uma oportunidade para se discutir e dar visibilidade em âmbito internacional para as violações de direitos humanos que continuam ocorrendo no Brasil”, disse.

“O Brasil tem sido reconhecido pela questão do desenvolvimento econômico e por sua política externa. Nós chamamos atenção para a outra face desse modelo de desenvolvimento econômico que vem acarretando muitas violações de direitos humanos, principalmente em relação às comunidades tradicionais, como quilombolas, povos indígenas, populações ribeirinhas que têm sido impactadas pelos megainvestimentos, pela construção de usinas hidrelétricas e rodovias, com a expansão do agronegócio com a monocultura”, destacou Sandra.

A decisão de premiar a brasileira, de acordo com a HRF, é um reconhecimento ao trabalho de Sandra no combate à violência policial e aos grupos de extermínio, na luta pela reforma agrária e na fiscalização aos abusos e crimes cometidos pelo Estado dentro do sistema prisional. Outro ponto do trabalho de Sandra destacado pela organização foi sua atuação nas denúncias contra a perseguição e a criminalização dos movimentos sociais e defensores de direitos humanos no Brasil.

Atualmente, a Justiça Global atua em 13 estados. Além de se envolver com as questões de segurança pública, a organização trabalha para garantir proteção a defensores de direitos humanos que sofrem ameaças e a movimentos sociais criminalizados ou perseguidos.



Com informações da Agência Brasil


Autor: Márcia Evangelista
Data: 5/11/2009

Copenhague: para evitar uma catástrofe climática.


O tempo está acabando para as negociações finais da ONU em Copenhague para evitar uma catástrofe climática. O mundo precisa que o Brasil lidere com metas fortes de controle de emissões, mas o Presidente Lula está fortemente dividido num impasse entre ministros.

Nós só temos 10 dias até o Lula tomar uma decisão. Nós já vimos como milhares de mensagens de brasileiros pode influenciar as decisões do Lula – vamos pressioná-lo novamente para garantir que o Brasil seja um líder das mudanças climáticas.

A petição sera entregue ao Lula em pessoa esta segunda-feira dia 9 de novembro e nós precisamos de uma grande quantidade para balancear a pressão do lobby contra as metas!


Assine a petição e divulgue para seus amigos:

http://www.avaaz.org/po/peticao_tictac_lula



A Dilma Rousseff disse após a reunião com o Lula que o Brasil terá um “esforço voluntário” o que é um enorme retrocesso nos compromissos anteriores do Brasil e considerando a necessidade de metas concretas para Copenhague.



Há interesses fortes contra as metas principalmente de alguns segmentos dos setores agropecuário, energético e industrial que atuam dentro do governo brasileiro. Porém, a falta falta de consenso mostra que o Lula ainda está dividido e a voz da opinião pública pode fazer a diferença.

Em todo encontro internacional de chefes de estado o Lula tem demonstrado liderança e a vontade de apoiar uma solução climática forte em Copenhague. Porém, ele ainda não colocou as suas palavras em prática.



O Plano Nacional de Mudanças Climáticas com metas fortes é a oportunidade do Lula liderar como exemplo pressionando os países ricos a levarem Copenhague a sério.

Segunda-feira será a nossa oportunidade de dizer para o Lula que precisamos de um tratado forte, mas antes disso precisamos de um número massivo de assinaturas para não fazer feio e mostrar que a sociedade civil brasileira se preocupa com as mudanças climáticas e querem que ele tome as decisões certas.


Apóie esta campanha, assine a petição no link:

http://www.avaaz.org/po/peticao_tictac_lula





Com esperança,

Graziela, Luis, Alice, Paula, Benjamin, Ricken, Iain, Pascal, Veronique e toda a equipe Avaaz

Leia mais sobre o assunto:

Queda de braço no governo sobre as metas do clima:




Governo adia definição de proposta brasileira para Conferência do Clima:




Reunião do governo sobre clima acaba sem anúncio de corte de CO2:





País deve abandonar meta ambiental:

http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/11/04/pais+deve+abandonar+meta+ambiental+9015912.html



SOBRE A AVAAZ



Avaaz.org
é uma organização independente sem fins lucrativos que visa garantir a representação dos valores da sociedade civil global na política internacional em questões que vão desde o aquecimento global até a guerra no Iraque e direitos humanos.



Avaaz não recebe dinheiro de governos ou empresas e é composta por uma equipe global sediada em Londres, Nova York, Paris, Washington DC, Genebra e Rio de Janeiro. Avaaz significa "voz" em várias línguas européias e asiáticas.


Telefone: +1 888 922 8229

domingo, 8 de novembro de 2009

Pensão para companheiro de servidor homossexual


A promessa foi feita ainda na campanha eleitoral, mas a decisão de conceder pensão por morte para companheiros (as) de servidores (as) homossexuais pelo Governo do Estado de Pernambuco foi anunciada, em setembro na 8ª Parada Pela Diversidade Sexual e, na última segunda-feira, a Fundação de Aposentadorias e Pensões dos Servidores do Estado (Funape) publicou o direito ao benefício no Diário Oficial, através de Instrução Normativa nº 06/09.

A medida segue os princípios da Constituição Federal considerando o “conteúdo ético e moral da isonomia e da dignidade da pessoa humana, que reclamam tratamento jurídico igualitário, plural e democrático de todos os brasileiros, independente de cor, raça, nacionalidade, sexo e orientação sexual de cada um”.

O presidente da Funape, Dácio Rossiter Filho, lembra que a decisão do Governo considera pronunciamentos do Tribunal Superior de Justiça (TSJ), que já concederam o direito do benefício de pensão a companheiros homossexuais de segurados de regimes de previdência social.

“O processo de concessão de pensão para pessoas do mesmo sexo será o mesmo utilizado para casais heterossexuais que mantém união estável. Para comprovar a convivência, o (a) parceiro (a) pode apresentar documentos como conta bancária conjunta, comprovante de residência, dependência do seguro saúde, declaração de imposto de renda do segurado ou do interessado relativo ao exercício anterior do óbito, entre outros”, explica.



Recife foi a primeira cidade do País a conceder o direito à pensão para homossexuais, através de projeto de lei, em maio de 2003. Hoje, a Prefeitura de Paulista também garante o benefício previdenciário aos companheiros de servidores municipais. A Funape dispõe dos serviços de atendimento na Agência Previdenciária (atendimento presencial das 8h às 13h).



Mais informações pelo telefone: 3183. 3800.




Estado antecipa 13º e salário de dezembro



[29/10/2009 12:21:13]



O governador Eduardo Campos anunciou, nesta quarta-feira (28/10), Dia do Servidor Público, o calendário de pagamento do 13º salário e a antecipação do salário de dezembro do funcionalismo estadual. De acordo com a tabela apresentada, a gratificação de Natal será paga em única parcela nos dias 16, 17 e 18 de novembro. “Este é um gesto de consideração e respeito com os servidores públicos que tanto têm contribuído para melhorar as políticas públicas do Estado”, explicou o governador.



O primeiro dia de pagamento do 13º será dedicado aos aposentados e pensionistas; o segundo aos servidores ativos da Secretaria de Educação e no último dia serão contemplados os outros servidores ativos. Este é o terceiro ano consecutivo em que o Governo do Estado honra o pagamento do décimo terceiro salário, em uma única parcela, no mês de novembro, a todos os servidores.

Em relação aos salários de dezembro, o Governo antecipou o pagamento, antes previsto para os dias 23, 24, 28, 29 e 30 do mês. Após a alteração, os vencimentos serão pagos antes do Natal, entre os dias 21 e 23, seguindo a mesma sistemática do 13º salário. Com o pagamento do mês de outubro, que está sendo realizado esta semana, do 13º, de novembro (24 a 30) e de dezembro, o governo honra quatro folhas salariais que irão injetar R$ 1,6 bilhão na economia local em menos de 60 dias.



“Vamos injetar 1,6 bilhão na nossa economia em menos de 60 dias. Uma quantia expressiva de dinheiro em qualquer lugar do mundo. Isto ajuda os nossos servidores a programar suas despesas para o Natal e aumenta o volume de vendas no comércio”, explicou Eduardo. A folha de pagamento do funcionalismo estadual corresponde a aproximadamente R$ 400 milhões para cerca de 200 mil contracheques.



AVANÇOS – Além de anunciar o calendário de pagamentos, o governador também fez questão de frisar as conquistas dos servidores públicos estaduais nestes dois anos e nove meses de Governo. A implantação da mesa permanente de negociação entre os servidores e o Estado; o pagamento dos salários dentro do próprio mês e a criação de um calendário semestral de pagamentos foram algumas das conquistas destacadas pelo governador.

“Com o calendário semestral de pagamentos, o servidor sabe quando vai receber e pode agendar os seus compromissos para depois daquela data. Para quem vive sempre apertado, a exemplo dos servidores públicos, isso faz muita diferença”, enalteceu Eduardo.

FONTE: http://www.ps.pe.gov.br/

sábado, 7 de novembro de 2009

HUMILHAÇÃO EM UNIVERSIDADE

Uniban expulsa aluna que provocou reação de colegas ao usar vestido curto

Geysi usava trajes inadequados e apesar de alertada, não alterou seu comportamento, diz anúncio

Por meio de anúncio publicitário em jornais de São Paulo, a Uniban anunciou que a aluna do curso de turismo Geysi Villa Nova Arruda foi desligada da instituição. Segundo o informa, a aluna frequentou a escola "em trajes inadequados, indicando uma postura incompatível com o ambiente da universidade e, apesar de alertada, não modificou seu comportamento". As informações são do site G1.

Geysi afirmou que nem ela e nem seus advogados haviam sido notificados da decisão. No final de outubro, a diretoria da universidade informou que havia aberto uma sindicância para investigar o tumulto na unidade paulista da instituição.

A Polícia Militar precisou ser acionada após a garota ser insultada por colegas. Segundo informações da polícia, o tumulto foi causado por uma aluna vestida com roupas inapropriadas.

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a2710922.xml
VEJAM VÍDEO ONDE ELA MOSTRA O VESTIDO E CONTA UM POUCO DO QUE VIVEU DENTRO DA UNIVERSIDADE. LINK ABAIXO:

Impacto do agronegócio sobre ambiente e saúde


Repassando




Impacto do agronegócio sobre ambiente e saúde:

desafios à produção de conhecimento




ENSP, publicada em 03/11/2009



O grupo de trabalho (GT) Saúde e Ambiente da Abrasco convocou, na manhã de domingo (1/11), um debate sobre o processo produtivo do agronegócio e suas relações e consequências para a saúde pública e o meio ambiente no IX Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva.



Na mesa, coordenada pela pesquisadora da Universidade Federal do Ceará, Raquel Rigotto, os palestrantes Vicente Almeida (Embrapa), Marcelo Firpo (ENSP/Fiocruz), Wanderlei Pignati (UFMT) e Lia Giraldo (CPqAM/Fiocruz) falaram do macrofenômeno do agronegócio e sua relação com a economia, a produção industrial, a política, a pesquisa e a necessidade de transição para um novo modelo agroecológico no país.



Para Vicente Almeida, da Embrapa, a alimentação e o ambiente são duas das principais formas de se obter saúde. Em sua apresentação, perguntou se há impactos do agronegócio sobre o ambiente, quais seriam esses impactos e como se expressam na saúde e no ambiente.



Segundo ele, trata-se de um conceito construído pela política e pela economia, mas que demanda uma maior produção de conhecimento científico sobre o tema. Vicente lembra que o processo produtivo do agronegócio gera disputa de território. De acordo com o pesquisador, essa disputa leva à concentração fundiária que, por sua vez, gera riqueza, que gera poder, que ocasiona a fome, a erosão genética e a contaminação do solo, da água e da biodiversidade.




"O Brasil é o país que mais consome agrotóxicos no mundo. A agricultura promete geração de renda e emprego, mas o que vemos são trabalhadores contaminados, alimento contaminado. É importante avançarmos na negação do atual modelo e incentivarmos uma transição agroecológica. É preciso analisar os custos que essa mudança traz e suas conseqüências para a população".




Para Marcelo Firpo Porto, pesquisador da ENSP, é necessária a articulação de uma rede de pesquisadores lutando contra o agronegócio, e não somente contra os efeitos do agrotóxico. Para isso, segundo ele, é importante articular saúde, economia, agronomia, política e outros atores para uma transição agroecológica justa e sustentável.




"Grandes plantações são uma bomba ecológica, pois agridem a cultura local, geram disputa por território e trazem vários outros danos. Um exemplo da expressão do agronegócio é a soja. Ela tem avançado sobre o cerrado brasileiro e a Amazônia. É a expressão clara da expansão da monocultura e do agronegócio. Envolve diretamente queimadas para a preparação do solo e cria aquele 'oceano' de soja".




Marcelo apresentou um mapa que demonstrou a expansão do agronegócio de 1995 a 2005. Nesse período, a venda de agrotóxicos triplicou, e a área de plantio aumentou apenas 20%. "O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Denúncias da Rede Brasileira de Justiça Ambiental falam da fusão da indústria química com produtores de semente. O agrotóxico que o Brasil consome foi proibido na Europa e nos Estados Unidos. É preciso incentivar a transição agroecológica, e o papel da saúde é fundamental para um modelo com justiça social e cultural, com segurança alimentar e preservação ambiental".




Na sequência, Wanderlei Pignati, professor da Universidade Federal do Mato Grosso, afirmou que o Mato Grosso é um dos maiores produtores de soja, de gado e madeira - o que, segundo ele, "tem destruído o estado". De acordo com Pignati, em 2007, o Brasil possuía 52 milhões de hectares com lavoura temporária e uma média de dez quilos de agrotóxico por hectare.




"Esse número revela uma média de 500 a 600 milhoes de quilos por ano no Brasil". O palestrante fez questão de 'desconstruir' algumas afirmações com relação ao uso do agrotóxico. Uma delas diz que o uso adequado da substância não traria prejuízos ambientais. "Isso não é verdade. Qualquer utilização traz danos ao ambiente e, consequentemente, à saúde. Outra falsa afirmação é a de que a falta de informação dos agricultores é a maior causa das contaminações ocupacionais e ambientais".



O pesquisador afirmou que os agrotóxicos usados nas lavouras são absorvidos pela pele, pulmão e sistema gastrointestinal dos trabalhadores, com grande parte alojada nas plantas e no solo. "Acreditava-se que as embalagens das substâncias eram os principais meios de contaminação. Na verdade, o principal é saber onde foi parar o que está lá dentro e evitar sua utilização".



Em seguida, Lia Giraldo, do Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (CPqAM/Fiocruz), se concentrou nas políticas sobre o tema. De acordo com ela, o Brasil possui um marco legal sobre o agrotóxico, mas que vem sendo degradado por medidas provisórias da bancada ruralista do congresso.



"Temos três ministérios que tratam o tema: o da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; o Ministério da Saúde; e o Ministério do Meio Ambiente. Mesmo assim, temos imensos problemas com essa questão. Além das questões judiciais do setor empresarial, encontramos dificuldades dentro do próprio governo, suas alianças e o congresso".




FONTES:





CONVITE

CENDHEC, SOS CORPO, ETAPAS, DIACONIA, FASE, CESE E EED
Convidam para o lançamento do Estudo NA LUTA POR DIREITOS: A contribuição de ONGs para a garantia e implementação de políticas públicas na Região Metropolitana do Recife – 1988 – 2008

O objetivo principal deste Estudo é apresentar os impactos mais relevantes alcançados por estas entidades na Região Metropolitana do Recife, na emergência de cultura de direito e na definição e implantação de políticas públicas municipais, estaduais e federais, voltadas para a população urbana excluída.

Local: SOS CORPO
Rua Real da Torre, 593
Madalena. Fone: 81 – 30872086


Hora: 09- 11- 2009 (segunda-feira)
Horário: 9:30 horas

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Filantrópicas passam a ser responsabilidade de ministérios




Depois de muita polêmica, o plenário do Senado aprovou o substitutivo da Câmara dos Deputados ao projeto de lei do Senado (PLS 20/05), que transfere aos Ministérios da Saúde, Educação e Desenvolvimento Social e Combate a Fome a responsabilidade de conceder e renovar o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (Cebas).

Hoje, cabe ao Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) a concessão desses certificados. No entanto, desde o ano passado, o governo tenta mudar as regras desse reconhecimento, que movimenta mais de R$ 4 bilhões todos os anos.

Segundo o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), a proposição modifica e endurece a fiscalização e a licença para as entidades filantrópicas. Em plenária, ainda elogiou a rapidez do trabalho realizado pelo relator na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), que permitiu a aprovação da matéria nesta quinta-feira, dia 29.

Como fica

Quando a entidade atuar em mais de uma área, a proposta é que a certificação será concedida pelo ministério da principal área de atuação da instituição. Esses documentos serão válidos por até cinco anos, levando-se em consideração as características de cada área.

O relator da matéria na CAS ressaltou que a proposta é importante para estabelecer uma boa relação entre o governo e a sociedade. Ele destacou ainda que as medidas propostas vão beneficiar as entidades sérias, mas que tiveram sua imagem desgastada em virtude da má atuação de algumas instituições.

Conforme o substitutivo, a entidade que fizer opção pela prestação de serviços na área de saúde terá que prestar pelo menos 60% dos atendimentos gratuitos para o Sistema Único de Saúde (SUS), enquanto as que optarem pela prestação de serviços na área de educação terão que disponibilizar pelo menos 20% em bolsas de estudo gratuitas, integrais ou parciais, a estudantes.

Já as instituições que prestam serviços de assistência social, não poderão cobrar qualquer contrapartida por atendimento em nenhum caso, mas poderão receber doações de pessoas.

Certificação

O Cebas será concedido às pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, reconhecidas como entidades beneficentes de assistência social com a finalidade de prestação de serviços nas áreas de assistência social, saúde e educação. É vedado dirigir suas atividades exclusivamente a seus associados ou a categoria profissional.

Pelo projeto aprovado, o processo de certificação deverá contar com plena publicidade de sua tramitação, devendo permitir à sociedade o acompanhamento pela internet de todo o processo. Para isso, os ministérios responsáveis pela certificação deverão manter em seus sites lista atualizada com dados relativos às entidades, inclusive recursos financeiros a elas destinados.

O substitutivo segue, agora, para sanção presidencial.

Histórico

O imbróglio da emissão do Cebascomeçou no final do ano passado, quando o governo federal deixou os setores ligados à assistência social no Brasil em polvorosa. No dia 10 de novembro, o governo publicou a Medida Provisória n.º 446 e mudou as regras para a concessão do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (Cebas), documento que isenta de impostos cerca de 7 mil organizações registradas em todo o país – a um custo de R$ 4,4 bilhões por ano.

A medida foi considerada polêmica em dois pontos principiais. No primeiro, a suposta “anistia” a entidades na renovação do certificado. Pela MP, todas as organizações que deram entrada na documentação, incluindo aquelas que estavam em suspeição para renová-la, tiveram deferimento automático de seus pedidos.

Outra discussão fundamental foi a responsabilidade de outorgar o documento, que deixou de ser do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), e passou a ser dos ministérios da Educação (MEC), Saúde (MS)e Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Eles darão a chancela de acordo com as especificidades de trabalho de cada entidade.

“O CNAS precisava se livrar dos processos, por essas duas razões, pois foram deferidos e ele não mais cuidará deles”, explica o advogado, Eduardo Szazi, especialista em legislação do terceiro setor. Segundo ele, é preciso tomar cuidado com generalizações, já que a resolução “publicou” o deferimento de todos os processos em tramite e não apenas daqueles que estavam tendo problemas.

“A lista não compreende apenas as entidades problemáticas, mas todas aquelas que estavam com pedido em andamento, com estrita atenção à quota de gratuidade”, argumenta.

Por que o Cebas é importante?

O certificado garante às entidades imunidades tributárias e, em contrapartida, elas devem oferecer à população a continuidade de serviços públicos de saúde, educação e assistência social que a estrutura governamental não consegue oferecer.

Essas entidades - geralmente hospitais, universidades e casas de assistência social - ficam livres da contribuição previdenciária patronal, equivalente a 20% da folha de pagamento, e das contribuições CSLL (sobre o lucro líquido), PIS e Cofins (9,25% sobre o faturamento).

“Mas isso não quer dizer que esse dinheiro vá direto para o bolso dessas entidades, como alguns querem fazer crer. Para conseguir o Cebas é preciso comprovar que existe um atendimento no mesmo valor isentado no imposto”, argumenta o advogado Eduardo Szazi.

Em tempo

O presidente da CPI das ONGs, Heráclito Fortes (DEM-PI), informou há pouco ao Congresso em Foco que o colegiado fará uma reunião nesta quarta-feira (28), depois da ordem do dia no plenário do Senado, para tentar retomar os trabalhos interrompidos desde junho, em meio à polêmica em torno da instalação da CPI da Petrobras (leia mais).

A ideia, segundo Heráclito, é assegurar a continuidade dos trabalhos investigativos, que receberam prazo inicial de 180 dias para entrega do relatório. A pauta divulgada pela assessoria da comissão informa que a reunião de logo mais servirá para adequação do plano de trabalho e apreciação de requerimentos apresentados pelos membros.


FONTE:
http://www.gife.org.br/redegifeonline_noticias.php?codigo=8714&tamanhodetela=4&tipo=ie